Doses de história: Mercado Público Municipal Germano Kurt Freissler

Foto Mercado Municipal de Joinville, construído em 1906.

O mercado público municipal de Joinville/SC, teve sua primeira edificação construída em 1906, na gestão do prefeito Procópio Gomes de Oliveira, mas sua inauguração oficial ocorreu em 1907, quando Oscar Schneider assumiu a prefeitura da cidade. Em arquitetura luso-brasileira , assim como os mercados de São Francisco do Sul e Florianópolis, a edificação se destacava às margens do Rio Cachoeira, em meio a paisagem e outros armazéns.

Carlos Ficker, no livro “Histórias de Joinville: crônicas da Colônia Dona Francisca” (2008, p. 328) nos provoca a refletir sobre esta importante obra; Está, pois, Joinville dotado de um local próprio para a edificação do seu Mercado. A simples arborização desta praça dar-lhe-há uma bella perspectiva. […] E como habil  e pertinaz nos seus empreendimentos, prova-o de sobejo, si outros não chegassem para proval-o, o facto da creação de um mercado para Joinville”.

Desde o início, a construção causou polêmica, primeiro pela localização escolhida, que a princípio era onde hoje está a Biblioteca Municipal Rolf Colin, no entanto, o terreno já havia sido cedido à Sociedade de Embelezamento de Joinville. Após a justificativa do superintendente Frederic Brüstlein, sobre as dificuldades de acesso ao mercado por meio dos carroções e embarcações, o local mudou para o terreno à margem do Cachoeira.

Mas, houveram dificuldades quanto a aceitação de tal mudança, pois as frequentes chuvas e inundações, transformavam em banhado todas as áreas às margens do rio. O segundo impasse, dizia respeito às divergências e pontos de comercialização de pescadores e agricultores. Enquanto na região do Rio Cachoeira havia se estabelecido a venda de pescados, muitas famílias viviam longe da “vila”, e a agricultura de subsistência era a principal atividade econômica da época. Os agricultores vendiam seus produtos de porta em porta, ou diretamente aos comerciantes, em um ponto de carroceiros onde hoje é a Praça Lauro Müller,  não levando sua produção até o Mercado.

Conforme publicação do Jornal ND+ (2016) “A partir da entrega da obra, as críticas se voltaram para o regulamento do mercado. Uma relação de regras publicada pelo jornal Commércio de Joinville, determinava os dias e horas em que os produtos deveriam ser expostos e, principalmente, proibia a venda de inúmeros artigos pelas ruas da cidade. Tanto os produtores rurais quanto os pescadores, se mobilizaram contra as regras iniciais estabelecidas pela superintendência, e as discussões eram acompanhadas pela imprensa. ‘Os colonos não estão dispostos a se sujeitar ao que venha tirar os seus hábitos’, afirmava a Gazeta de Joinville ainda em 1907”.

O jornalista Lúcio Matto, no livro “Jornal Retrô: 100 histórias de uma Joinville de outros tempos” (2020, p. 62) descreve acerca das regras do Mercado Público; “O rigor do regulamento era tamanho que as normas tentavam limitar até quanto tempo os frequentadores do Mercado deveriam levar para fazer suas compras […]. A limpeza era de fato uma fixação e reaparece no capítulo V, intitulado ‘Disposições Gerais’. O artigo 19 explicitava entre as obrigações dos locatários a de ‘conservarem as casinhas no maior asseio, caiadas ou pintadas, com as entradas sempre desembaraçadas e limpas […].”

Entre os anos de 1956 e 1957, inicia a primeira mudança em sua arquitetura, com a retirada dos arcos da parte superior do prédio, e na primeira gestão do prefeito Luiz Henrique da Silveira (1977 e 1982) o imóvél foi demolido. Em justificativa à construção de um novo mercado, no Jornal A Notícia, citado por SILVA (2016, p. 137) a prefeitura apresenta “[…] retomar suas características originais: “[…] o último trabalho que pode ser considerado como reforma realizado no Mercado Municipal, aconteceu em 1947, exatamente 138 quando o prédio perdeu suas características germânicas originais, ganhando formas indefinidas de construção.” (AN, 1979, p. 3).  

Mas, as referências encontradas por meio de fontes iconográficas, apresenta nitidamente uma edificação em estilo açoriano, em um momento de fortalecimento da cultura luso – brasileira e não germânica. SILVA (2016, p. 141) Não apenas arquitetos, engenheiros e historiadores se manifestaram de forma contrária à construção do “falso enxaimel” em Joinville. O crítico de arte e escritor Harry Laus, definiu a atual edificação do Mercado Público como “um lamentável arremedo do verdadeiro enxaimel”

A demolição do primeiro Mercado Público Municipal de Joinville, serve de exemplo quanto à importância da educação patrimonial, preservação e  leis de tombamento. A historiadora e doutoranda em História Giane Maria de Souza (2020) argumenta que […] problema é quando os gestores, vereadores, prefeitos, deputados, conselheiros de cultura não entendem a função e a importância de um bem tombado, inventariado, como um museu, uma edificação histórica, uma coleção documental, um monumento ou um arquivo público e suas relações dialógicas com as comunidades. A ausência desse entendimento faz com que o poder público invista os recursos em outros serviços como eventos e propagandas; concretamente políticas de abandono que passam a existir para determinados setores ou bens públicos. Leia o texto completo AQUI.

Algumas ações no Mercado Público Municipal Germano Kurt Freissler

Carnaval no Mercado
A folia do carnaval joinvilense acontece no Mercado Público, e conta com atrações locais de renome nacional, grupos de escola de samba, bandas e shows ao vivo.

Corte do Carnaval de Joinville (2018). Foto: Redes Sociais Prefeitura de Joinville.



Encontro de colecionadores e motociclistas
São muitos os encontros de carros antigos e motocicletas que ocorrem no Mercado Público. Um desses encontros foi registrado pelo jornal A Notícia (2013); O ronco do motor é reconhecido de longe. Pneus espessos, pilotos com coletes de couro, tatuagens e motocicletas que chamam a atenção por onde passam. Amantes da estrada e de boa música, as “irmandades”, como costumam identificar os moto clubes, se reúnem neste sábado, no Mercado Público Municipal de Joinville, a partir das 14 horas. 

Foto: Vinicius Mendes

MAJ Sounds
Idealizado pelo VJ Leandro Vigas, juntamente com o DJ Roger Thiago o evento que surgiu em abril de 2012, teve várias edições. Muitas das quais, realizadas nos jardins do Museu de Arte de Joinville e algumas no Mercado Público.  Regado a música e apresentações  multiculturais, era realizado em espaços públicos de forma gratuita e sem fins lucrativos. 

Evento MAJ Sounds. Foto: Redes Sociais.

Referências

SILVA, Bruno da. A CONSTRUÇÃO DO CAMPO DO PATRIMÔNIO CULTURAL: : políticas de preservação, instâncias, mecanismos e agentes culturais em. : POLÍTICAS DE PRESERVAÇÃO, INSTÂNCIAS, MECANISMOS E AGENTES CULTURAIS EM. 2016. Disponível em: http://www.faed.udesc.br/arquivos/id_submenu/2229/dissertacao_bruno_da_silva___completa.pdf. Acesso em: 14 maio 2021.

SOUZA, Giane Maria de. Patrimônio Abandonado. 2020. Disponível em: https://artenacuca.com.br/arte-educacao/patrimonio-abandonado/. Acesso em: 14 maio 2021.

EVARINI, Adrieli. De cais comercial, o Mercado Público de Joinville se transforma em concorrido ponto de encontro. 2015. Disponível em: https://ndmais.com.br/diversao/de-cais-comercial-o-mercado-publico-de-joinville-se-transforma-em-concorrido-ponto-de-encontro/. Acesso em: 14 maio 2021.

ND, Redação. 1906: o ano da construção do Mercado Municipal de Joinville às margens do Cachoeira. 2016. Disponível em: https://ndmais.com.br/cultura/1906-o-ano-da-construcao-do-mercado-municipal-de-joinville-as-margens-do-cachoeira/. Acesso em: 14 maio 2021.

FICKER, Carlos. História de Joinville: crônicas da colônia dona francisca. 3. ed. Joinville: Letra Dágua, 2008.

MATTOS, Lúcio. Jornal Retrô: 100 histórias de uma joinville de outros tempos. Joinville: Independente, 2020.

FAZERAQUI. Mercado Público de Joinville recebe edição do MAJ Sounds no próximo domingo. 2017. Disponível em: https://www.fazeraqui.com.br/edicao-do-maj-sounds-sera-no-mercado-publico-de-joinville/. Acesso em: 14 maio 2021.

NSC, Redação. Sambistas animam carnaval no Mercado Público de Joinville. 2009. Disponível em: https://www.nsctotal.com.br/noticias/sambistas-animam-carnaval-no-mercado-publico-de-joinville. Acesso em: 14 maio 2021.

NSC, Redação. Encontro de motociclistas acontece neste sábado no Mercado Público de Joinville. 2013. Disponível em: https://www.nsctotal.com.br/noticias/encontro-de-motociclistas-acontece-neste-sabado-no-mercado-publico-de-joinville. Acesso em: 14 maio 2021.

Recommended Posts

Nenhum comentário por enquanto!


Adicionar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *