Amorabi recebe lançamento do livro “Territórios no cinema brasileiro: a visibilidade do lixo”

No dia 30 de julho ( Sábado) às 10h a Biblioteca Comunitária Lutador Dito (Amorabi) recebe o lançamento do livro “Territórios no cinema brasileiro: a visibilidade do lixo” de autoria da professora e produtora audiovisual Fahya Kury Cassins, contemplado por meio do edital do Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura – Simdec 2020.

Durante o evento, acontecerá a distribuição gratuita da obra autografada (50 exemplares), para quem doar uma história em quadrinhos ou livros destinados ao público infantil e juvenil, que ficará disponível ao acervo da biblioteca comunitária.

Sobre a obra

O livro teve origem na dissertação de mestrado da professora no Programa de Pós-Graduação em História(UDESC), e traça uma breve história do cinema brasileiro em busca de uma temática bastante estudada: o brasileiro. Quem é o brasileiro no nosso cinema? Porém, a pergunta aqui é realocada para “aonde está o brasileiro no cinema?”. Ao perceber que a busca pela brasilidade não se restringia às características dos personagens, mas os encontra sempre vivendo em um determinado local – como o sertão, a favela, as cidades -, a proposta é ver um brasileiro invisibilizado: aquele que vive do lixo.
A obra investiga três documentários: Boca de Lixo (1993), Estamira (2006) e Lixo Extraordinário (2011), para expor uma brasilidade com a qual o cinema-documentário ainda não se satisfez e com a qual a ficção televisiva flertou e o cinema de ficção ainda nem se interessou.

“A partir dessa ideia mais geral que vemos muito nos filmes e que tem como cenário a favela ou o sertão, por exemplo, que seriam lugares onde o brasileiro “existe”, temos outros espaços como o próprio lixão. Mas o lixo é aquilo que não queremos ver, então o cinema de ficção não faz filmes com personagens no lixão. Teve a novela Avenida Brasil, por exemplo, que teve o lixão como cenário pela primeira vez – um lixão muito asséptico, por sinal. É uma forma de investigar que há certos espaços “idealizados”, “bonitos” e outros que permanecem invisíveis no cinema”, destaca a autora Fahya K. Cassins.

Sobre a autora

Fahya Kury Cassins


Fahya Kury Cassins é mestra em História pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) e graduada em Cinema e Vídeo pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul) e em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). É professora de Cinema e de Filosofia, além de ser escritora, roteirista, diretora e produtora na Oficina – Projetos e Produções. Morou cerca de 10 anos em Florianópolis/SC, onde estudou e trabalhou até 2015, quando retorna para Joinville/SC com objetivo de produzir e contribuir para a formação de profissionais do audiovisual.
Possui roteiros produzidos, como os curta-metragens “Passagem de Volta” (2022) e “Gritos do Sul” (2022), também adaptou contos de sua autoria para o cinema e dirigiu. Atualmente, estuda e defende a causa das mulheres no mercado de trabalho do Cinema, focando na presença de mulheres nas equipes e sets de filmagens.

Quando? 30/07. Horário? 10h às 11h.
Quanto? Gratuito. Para comprar o livro, clique AQUI.
Onde? Associação dos Moradores do Bairro Itinga – Amorabi. R. dos Esportistas, 510 – Itinga, Joinville – SC.

Recommended Posts

Nenhum comentário por enquanto!


Adicionar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *