Academia Joinvilense de Letras empossa novos integrantes

Clique abaixo para ouvir a postagem

A Academia Joinvilense de Letras (AJL) realiza na próximo dia 10 de novembro, às 19h, a Sessão Magna de posse dos acadêmicos efetivos Simone do Nascimento Silva, Walter de Queiroz Guerreiro e José Carlos Vieira. A solenidade presencial será reservada a um número restrito de convidados, atendendo ao protocolo sanitário determinado pela Prefeitura de Joinville, em função da epidemia de Covid-19. A cerimônia será transmitida ao vivo por meio do link https://www.facebook.com/academiajoinvilense.

Novos acadêmicos da AJL

Simone do Nascimento Silva toma posse como sucessora do acadêmico Carlos Gomes de Oliveira, na  cadeira número 33; Lançou os livros  “Uma Festa de Tradição Açoriana: Festa do Divino Espírito Santo e Santa Ana” (2017) e “Vida e Obras de Marcos Rück” (2018), além de participar de  antologias. Graduada em Letras e Direito pela Univali, pós-graduada em Direito Público e Prática Jurídica pela FURB e pós-graduada em  Administração Pública: A Dimensão Estratégica da Gestão, pela Fundação Getúlio Vargas; Exerceu a profissão de professora do ensino básico e professora de Educação para Jovens e Adultos do EJA, foi conciliadora do Juizado Especial Cível e do Juizado Especial Federal Previdenciário. Atualmente é servidora pública municipal – secretária executiva, na Secretaria de Assistencial Social e presidente interina do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher.

José Carlos Vieira será empossado como sucessor de Miraci Dereti, na cadeira número 4. Escreveu os livros “Descentralização e Desconcentração” (2008) e “Felicidade Sustentável” (2011). Engenheiro Civil, pós-graduado em Planejamento e Gerenciamento pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS e em Física Teórica e Experimental pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), onde é professor, na Faculdade de Engenharia. Ocupou os cargos de presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Joinville (IPPUJ) por duas vezes, foi presidente da Fundação Universitária da Região de Joinville, secretário de Meio Ambiente e Agricultura, presidente da Companhia de Água e Saneamento do Estado de Santa Catarina (Casan), Vice-Prefeito de Joinville, Deputado Estadual e Deputado Federal em quatro Legislaturas.

Walter de Queiroz Guerreiro é o sucessor do acadêmico e fundador da AJL, Adolfo Bernardo Schneider, na cadeira número 36. Escreveu os livros  “Karl Völkl, Mestre-Artífice” (2006), “Fritz Alt- A verdade do desejo” (2007), “Em cartaz- 30 anos: Festival de dança de Joinville” (2010) e “Schwanke: Rastros”, entre outros. Biologista formado pela Universidade de São Paulo (USP), especialista em protozoologia e parasitologia; historiador pela PUC, com especializações no Arquivo Histórico Nacional e Itamaraty; e mestre em arte pela Universidade de Londres. Foi diretor cultural no Museu do Ipiranga, do Museu Fritz Alt e do Arquivo Histórico de Joinville. Produziu  matérias e críticas sobre Arte nos jornais “A Notícia” e “Gazeta Mercantil”.

Sobre a Academia Joinvilense de Letras

A atual presidente da Academia Joinvilense de Letras é a jornalista Maria Cristina Dias. Os acadêmicos se reúnem pelo menos uma vez por mês, na Sociedade Harmonia-Lyra, na rua XV de Novembro, 485.

A AJL foi fundada em 15 de novembro de 1969 e teve como primeiro presidente – e grande incentivador – o escritor e historiador Adolfo Bernardo Schneider. A AJL tem como missão estimular a criatividade literária e a pesquisa, os valores culturais da cidade e do estado de Santa Catarina e valorizar as atividades culturais e artísticas da região. Os acadêmicos eleitos são personagens fundamentais da cultura joinvilense, com obras, pesquisas e realizações valorosas.

A semente da academia foi lançada no início da década de 1960, quando um grupo formado pelo escritor, orador e teatrólogo José de Diniz; o advogado e político Eugênio Doin Vieira, o escritor e professor Augusto Sylvio Prodöhl e Adolfo Bernardo Schneider se reuniram e criaram, em janeiro de 1961, o “Instituto Joinvillense de Cultura”. Nessa época, o presidente era José de Diniz e o vice-presidente, Adolfo Bernardo Schneider.

A ideia de reunir pessoas ligadas às Letras com o objetivo de estimular a produção literária e intelectual local foi retomada em 1969. Na época, o então prefeito de Joinville, Nilson Wilson Bender, formou uma comissão presidida por Adolfo Bernardo Schneider – e a partir do trabalho desse grupo foi fundada oficialmente, em 15 de novembro de 1969, a Academia Joinvilense de Letras, tendo como sede provisória a Biblioteca Pública Municipal Prefeito Rolf Colin.

A AJL é a segunda mais antiga academia de Letras de Santa Catarina – antes dela só havia a Academia Catarinense de Letras (ACL), fundada em 1920 e que ganhou expressividade na década de 1960. A solenidade de inauguração da AJL, realizada nos salões da Sociedade Harmonia-Lyra em 1969, contou com a presença de personalidades renomadas no meio intelectual brasileiro, como o escritor Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, que representou a Academia Brasileira de Letras.

A partir do final da década de 1970, porém, a AJL foi, aos poucos, reduzindo as atividades. Com o falecimento do presidente Adolfo Bernardo Schneider, em 2001, ela ficou totalmente inativa – embora oficialmente ainda existisse. A retomada ocorreu em 2013, quando o advogado e pesquisador Paulo Roberto da Silva começou a resgatar a história da AJL e a mobilizar os acadêmicos ainda vivos e a comunidade para reativá-la.

Quando: 10 de Novembro. Horário: 19h
Quanto: Gratuito. Transmissão online:https://www.facebook.com/academiajoinvilense

Informações: Maria Cristina Dias – presidente da Academia Joinville de Letras – 98401-2521 e Nelci Seibel – 3425-4090

Powered by Rock Convert

Recommended Posts

Nenhum comentário por enquanto!


Adicionar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *