Skip to content

“Tudo é Rio”

Sabe aquele livro que alguém fala: “Nossa, você TEM que ler esse livro!”? Então, foi assim que “Tudo é Rio” da mineira Carla Madeira veio parar na minha estante. Lançado

“Amora”

Lançado em 2015 pela não-editora, “Amora” foi escrito pela sul-riograndense Natália Borges Polesso e era um livro que eu já vinha “namorando” há algum tempo, mas por uma razão ou

“Mel na Boca”

Em 2019, estava eu no meu habitual “garimpo” pelo setor em que trabalhava na Biblioteca Pública Municipal Prefeito Rolf Colin, o setor de Literatura Infantil e Infantojuvenil (o melhor de

“Tudo Bem ser Diferente”

Conheci “Tudo Bem ser Diferente”, escrito e ilustrado pelo californiano Todd Parr, por indicação de um atendente de uma livraria na qual eu contava histórias, durante um dos meus intermináveis

“Acanhado – Teatro em Joinville durante a ditadura militar”

Foto: Jéssica Michels. Será que houve ações de coação, perseguição e violência contra artistas em Joinville/SC, durante a Ditadura Militar? Há quem diga que não, mas o livro “Acanhado –

“Os Números do Amor”

Adquiri “Os Números do Amor”, da autora Helen Hoang, de tanto ler e assistir indicações. Adquiri, mas não comecei a ler logo de cara, afinal, não sei vocês, mas “leitura

“Mariana”, de Pedro Bandeira, na indicação de Carol Spieker

Você tem um escritor do coração? Eu tenho alguns, mas Pedro Bandeira, certamente foi o autor da minha adolescência. Li muita coisa do autor no decorrer da vida e hoje,

“E pro teatro, não vai nada?”

E pro teatro, não vai nada?Vai, sim, porque nem só de prosa vivem as nossas leituras de cada dia… O paulista radicado em Joinville, Jura Arruda estreou como dramaturgo (escrevendo

“Com qual penteado eu vou?”

“Com qual penteado eu vou?” A pergunta que dá título ao livro de Kiusan de Oliveira e Rodrigo Andrade, escritora e ilustrador negros. Kiusam é Pedagoga, Doutora em Educação, Mestra

“Redemoinho em dia Quente”

Eu estava em Curitiba/PR.  Não lembro se tinha ido para algum curso ou se simplesmente estava passeando por lá. Antes da pandemia, não era raro que em dia de folga